Skip to content

Vídeo que será lançado quarta-feira dá “nome e cara” aos agricultores orgânicos que cultivam em plena capital paulista

15/10/2013
video produzido em sao paulo produtor organico cicero shirazawa

FOTOS: REPRODUÇÃO

video produzido em sao paulo produtora organica maria jose kunikawa

Um vídeo, de 15 minutos, apresenta um dado desconhecido da maioria dos paulistanos: a cidade de São Paulo, a maior metrópole do Brasil, tem 443 agricultores. Dos quais no máximo 35 orgânicos. A maioria da população desconhece esses produtores porque eles não mantêm seus cultivos nas regiões centrais, e sim no extremo das zonas sul e leste, numa área rural que muitos habitantes da metrópole nem sequer desconfiam que existe.

É justamente para revelar esses produtores, entre outras nobres razões, que um movimento denominado Plataforma de Apoio à Agricultura Orgânica na Cidade de São Paulo fez este vídeo, chamado “Produzido em São Paulo”, já disponível no YouTube, e que será lançado nesta quarta-feira, 16 de outubro, às 10h, na Câmara Municipal.

O vídeo dá “nome e cara” aos agricultores orgânicos da zona sul, uma área de mananciais, entre as Represas Billings e Guarapiranga, que abastecem São Paulo. E mostra o quão conscientes do seu trabalho eles são. O produtor em Parelheiros – o bairro mais ao sul de São Paulo – Cícero Yutaka Shirazawa, por exemplo, preocupado com o meio ambiente, está feliz com a opção pela agricultura orgânica. “Quero crescer mais ainda e disponibilizar pra muito mais pessoas um alimento mais saudável”, diz, no vídeo. “E preservando a água de São Paulo.”

Já outro produtor, Zundi Murakami, também de Parelheiros, comemora a possibilidade de escoar os 2 mil quilos de hortaliças que produz por mês em duas feiras orgânicas da capital – na feira da AAO, no Parque da Água Branca, e na feira do Modelódromo, no Ibirapuera. “Foi uma salvação ir para essas feiras”, diz o agricultor.

Outro produtor agroecológico paulistano, Ernesto Oyama, que vende seus produtos na feira orgânica do Modelódromo, no Ibirapuera, lembra que o consumidor não sabe que aquelas hortaliças enormes, que todos acham bonitas, da agricultura convencional levaram uma carga muito grande de adubo químico – especialmente nitrogênio – para ficar daquele tamanho. “Mas essas hortaliças não duram tanto na geladeira quanto uma hortaliça orgânica, cultivada sem agrotóxicos e adubo químico, só orgânico”, garante.

Conforme explica Mônica Borba, do Instituto 5 Elementos, que integra a Plataforma, este vídeo faz parte do esforço do movimento orgânico para comprometer os candidatos a vereador e prefeito da capital paulista com a produção orgânica. “Além disso, traz os resultados da Semana de Agroecologia, realizada em maio de 2013 na Câmara Municipal, símbolo de um importante momento de união entre sociedade civil organizada e parlamentares no apoio à agricultura orgânica na cidade.”

Justamente para estimular e tornar viável a produção orgânica – que se coaduna com preservação ambiental e respeito aos mananciais – surgiu, em 2012, a Plataforma, liderada pelo 5 Elementos, peloInstituto Kairós de Ética e Atuação Responsável e pela Associação de Agricultura Orgânica (AAO).

Ao longo do processo, inúmeras entidades da sociedade civil uniram-se à Plataforma.  Todas com o objetivo principal de estimular a agroecologia, fortalecendo e contribuindo para criar  políticas públicas que tornem essa prática não só viável na metrópole, mas exemplar, provando que é possível conciliar o urbano e o rural de maneira sustentável. “Com todas as discussões que já ocorreram até hoje, a Plataforma se tornou uma bússola na formulação de políticas públicas quando o tema é agroecologia”, pontua Mônica Borba.

Na pauta de reivindicações, por exemplo, está a inclusão obrigatória de orgânicos na merenda escolar da rede municipal de ensino. Projeto sobre o tema, sugerido pela Plataforma e encampado e apresentado pelo vereador Gilberto Natalini (PV), foi aprovado por unanimidade na Câmara Municipal, mas vetado no início de maio pelo prefeito, Fernando Haddad (PT).

A Plataforma não desistiu, porém. Nesta quarta-feira, dia 16, seus membros vão comparecer em massa à Câmara Municipal não somente para o lançamento do vídeo. Mas também para  comemorar o início do processo de tramitação, na Câmara, da Lei Orgânica Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, apresentada pelo próprio Executivo municipal. Além disso, vão prestigiar o Ato Oficial da Semana Mundial da Alimentação, que terá a presença de um membro da OEA, Paulo Vannuchi, da Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

Quem estiver interessado, é só aparecer por lá.

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: