Skip to content

Movimento que começa neste sábado quer transformar a relação do paulistano com o alimento e com a metrópole. Por meio da agroecologia.

10/10/2013

convite mudasp

Eles não querem mudar o mundo. Mas se conseguirem pelo menos modificar a forma de os 11 milhões de habitantes da capital paulista se alimentarem e se integrarem de uma nova maneira com os alimentos que consomem, mais saudável e consciente,  já terá sido um feito e tanto. As articulações desse grupo vêm ocorrendo há pelo menos dois meses, em uma efervescente troca de e-mails, reuniões, sugestões e, acima de tudo, muita vontade de transformar a cidade de São Paulo, tornando-a efetivamente saudável, segura, solidária e sustentável e resgatando, para isso, o convívio dos habitantes urbanos com a terra, seus alimentos e elementos vivos. Tudo por meio da agroecologia.

Para eles, agricultura e áreas urbanas não são conceitos excludentes. Ao contrário. Ambos podem se integrar e contribuir para reconectar os seres urbanos com o ato de produzir o próprio alimento ou, pelo menos, conhecer melhor sua origem e como foi produzido. Eles estimulam a horticultura urbana, o comércio justo, o não-consumismo, a educação ambiental, o convívio nos espaços urbanos, a gastronomia saudável, a segurança alimentar e a saúde pública. São os integrantes do recém-formado Movimento de Agroecologia de São Paulo, ou MUDA-SP,  que, contando também com o apoio da Prefeitura de São Paulo e do Legislativo municipal, reúne interessados em efetivar essa mudança real no dia a dia do paulistano. Um movimento, aliás, totalmente aberto a novas adesões.

O MUDA-SP será lançado em grande estilo no Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1.000, próximo à estação Paraíso do metrô). Entre os dias 12 a 16 de outubro (tirando o dia 14 de outubro, segunda-feira), o movimento programou várias atividades – todas gratuitas e várias para crianças, lembrando que dia 12 de outubro é o dia das crianças -, como oficinas de culinária, de plantio de hortas urbanas, de compostagem doméstica, de cozinha colaborativa e até uma feira de troca de brinquedos usados.

Todas as atividades ocorrerão nas imediações da horta urbana, cultivada e cuidada pelo grupo Hortelões Urbanos – que já vem mudando a atmosfera da capital paulista, formando, voluntariamente, hortas orgânicas em espaços urbanos – no próprio Centro Cultural São Paulo. Haverá atividades também no jardim suspenso e nos demais pisos do CCSP.

A ideia, segundo os integrantes e apoiadores do MUDA-SP (Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de São Paulo; Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida; Supervisão Geral de Abastecimento da Prefeitura de São Paulo; Casa Jaya; AAO-Associação de Agricultura Orgânica; Revolução da Colher; Slow Food São Paulo; Hortelões Urbanos; Instituto Kairós e Instituto 5 Elementos), é promover uma nova maneira de relacionamento entre a cidade e o campo, onde o alimento promove a integração harmônica entre ambos.

“Tudo na natureza que nos nutre é tratado como algo pertencente ao ciclo da vida e não apenas como merca mercadoria”, defendem os organizadores. “Desse modo, o ato de alimentar-se inclui o envolvimento do ser humano com todas as fases que compõem a geração do alimento, desde a manutenção da boa fertilidade do solo até o consumo de receitas plenas de sabor, passando pelo cultivo em sintonia com o ambiente.”

Toda a programação dialoga com a X Bienal de Arquitetura de São Paulo – que começa dia 12 de outubro e terá, também no CCSP, um dos espaços expositivos –, inserindo a questão alimentar como um eixo básico da organização espacial e social da cidade. O MUDA-SP apoia também a Quinzena de Ação pela Liberdade das Sementes, proposta pela ativista indiana Vandana Shiva, a Prêmio Nobel Alternativo da Paz, reconhecida por sua luta pela preservação das sementes da agricultura, em contraposição a multinacionais do porte da Monsanto.

Embora gratuitas, as atividades requerem inscrições antecipadas, a pedido dos organizadores, no linkhttps://docs.google.com/forms/d/1mxfV1zB8pAnMDVB4rXWQw2jADFh_x4sReP4OwO4sOtY/viewform

Além disso, os organizadores pedem aos participantes que puderem colaborar com o movimento que adquiram um kit MUDA-SP, que será vendido no evento e que inclui cartilhas, sementes e mudas orgânicas. No e-mail inscricao.mudasp@gmail.com podem ser obtidas mais informações.

Abaixo, a programação completa – INCLUSIVE COM VÁRIAS ATIVIDADES PARA CRIANÇAS.

Programação:

Dia 12/10 – Sábado – (Tragam as crianças)

Oficinas; performance; feira de trocas de brinquedos contra o consumismo infantil; premiação dos verdadeiros heróis da alimentação, os pequenos produtores; plantio e manejo na horta do Centro Cultural SP.

9h – Mutirão: plantio e manejo na horta orgânica do CCSP – local: Horta comunitária do Jardim Suspenso 23 de maio

10h30 – Passeio verde: reconhecendo as árvores da nossa cidade (Árvores Vivas) – local de saída: Horta comunitária do Jardim Suspenso 23 de maio

13h – Piquenique de trocas de sementes e mudas – local: Horta comunitária do Jardim Suspenso 23 de maio

14h – Oficinas para as crianças: mandalas de sementes + Fashion Roots: criando adereços com a diversidade da natureza (Árvores Vivas) – local: área de convivência/ entrada piso Flávio de Carvalho

14h30 – Contação de estórias para crianças – local: Horta comunitária do Jardim Suspenso 23 de maio

15h – Feira de troca de brinquedos – local: área de convivência/ entrada piso Flávio de Carvalho

16h – Show Dupla Caipira de Reggae – local: área de convivência/ entrada piso Flávio de Carvalho

17h – Premiação dos agricultores – Pacto Mundial Consciente Brasil – local: área de convivência/ entrada piso Flávio de Carvalho

18h – “Design your free local menu” – cozinha experimental colaborativa grupo “Fruitmap” (Áustria) em parceria com Hortelões Urbanos, Come-se e Árvores Vivas – local: Jardim Suspenso

Dia 13/10 – Domingo

local: Horta comunitária do Jardim Suspenso 23 de maio

Oficinas do Ciclo Completo da Alimentação: do trato do solo ao cultivo, da colheita ao preparo de alimentos saudáveis e o re-uso dos resíduos orgânicos para o enriquecimento o solo.

10h – Re-conhecendo o que nos nutre – Oficina: Pesto de Capuchinha e Suco verde

10h45 – Nutrindo a si e ao planeta – Oficina: Culinária viva com Revolução da Colher

11h30 – Alimentação saudável e saborosa – Oficina: Culinária e Saúde, Ana Tomazoni do Slowfood

12h30 – Degustação – Lanche coletivo na horta do Ciclista (canteiro central da av. paulista próximo à Rua da Consolação)

15h – Cultivando alimentos e plantas medicinais: Oficina de plantio caseiro, sem veneno e com arte

16h30 – Nutrindo o solo para que nos dê bons frutos: Oficina de compostagem doméstica

18h – Bate-papo: Grupos de Consumo com ComerAtivaMente

Dia 15/10 – Terça-feira 

Local: sala de debates

13h30 – O solo (palestras de 20 minutos)

– Secretaria de Serviços da prefeitura com projeto Ciclo Vida
– Morada da Floresta com projeto das composteiras domésticas
– Resíduos Sólidos Orgânicos, seus impactos ambientais e possíveis soluções– Samuel do Instituto Vitae Civilis
– O solo Biodinâmico com Joyce do IBD
– Experiência de compostagem e cultivo no shopping Eldorado

15h10 – Debate

16h – Intervalo

16h30 – O cultivo (palestras de 20 minutos)

– Coperapas e o plantio nas áreas de preservação do município com Geraldino ( presidente )
– Plantando e gerando renda na zona leste – Seu Genival do projeto Cidade sem Fome
– Mokiti Okada e seu sistema de cultivo
– MST e assentamentos agroecológicos
– Hortelões Urbanos, escolas estufa e hortas na praças com Claudia Visoni

18h10 – Debate

19h – Cinema: Exibição do documentário Ciclovida: Lifecycle

Dia 16/10 – Quarta-feira – Dia Mundial da Alimentação e Segurança Alimentar

Local: sala de debates

9h – Ato na Câmara Municipal pela Segurança Alimentar

13h30 – O Alimento (palestras 20 minutos)

– Comusan – Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional
– Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida
– Revolução da Colher – Ativismo pela paz no prato
– Slowfood – Saberes e sabores de nossa cultura
– HSI – Criação de Animais e Ética
– Novo guia alimentar
– FSP-USP – Agroecologia e promoção da saúde
– Dr Alberto Gonzales, o Ciclobiogênico e a saúde alimentar e planetária

16h30 – Roda de conversa

17h30 – Debate e carta final do encontro

19h – Coquetel de encerramento

 

Anúncios
One Comment
  1. Fleury Tavares de Lima David permalink

    Puxa que legal, Tania. Vou me programar para conhecer.
    Abs,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: